Como a Psicologia Alimentar Influencia na Nutrição

A maioria de nós foi ensinado a acreditar que a boa nutrição é simplesmente uma questão de comer o alimento certo e tomar os suplementos certos. Claro, isso é verdade, mas há mais nesta equação. O que comemos é apenas metade da história de uma boa nutrição. A outra metade da história é quem somos como “comedores”. Ou seja, o que pensamos, sentimos, acreditamos, nossos níveis de estresse, relaxamento, prazer, consciência e as histórias internas que vivemos têm um efeito real, poderoso e científico no nosso metabolismo nutricional.

Avanços recentes nas ciências mente-corpo vêm provando o que antigas tradições de sabedoria têm dito por séculos – que a mente e o corpo existem em um continuum e impactam profundamente um ao outro.

Assim, a boa notícia é simplesmente isso: você pode mudar poderosamente seu metabolismo e seu estado nutricional sem alterar nada que você come, mas mudando você: o comedor. Aqui no GATDA, em nossos 20 anos como especialistas em psicologia nutricional, nos vimos tantos avanços profundos em pacientes em relação ao seu peso, excessos e compulsões alimentares, que colocamos aqui alguns dos principais conceitos que todo mundo deve saber:

1. Stress pode fazer você engordar – relaxamento pode emagrecer.

É fascinante como estresse, medo, ansiedade, raiva, julgamento e até mesmo uma “auto-conversa” negativa literalmente pode criar uma resposta de estresse fisiológico no corpo. Isso significa que geramos mais cortisol e insulina, dois hormônios que têm o efeito indesejado de sinalizar para o corpo para que armazene peso e gordura. Por estranho que possa parecer, mudamos literalmente nossa capacidade de queimar calorias quando estamos estressados. O que é mais incrível, porém, é que, quando aprendemos a buscar mais o lado positivo da vida e respiramos mais profundamente, o corpo entra em uma resposta de relaxamento fisiológico. Nesse estado, nós realmente colaboramos para que nosso metabolismo funcione da melhor forma possível. Então, você poderia estar seguindo a melhor dieta de perda de peso do mundo, mas se você é extremamente ansioso, o poder que a sua mente exerce poderá estar limitando a perda de peso do seu corpo. Muitas pessoas adotam estratégias de perda de peso estressantes – como dietas extremamente restritivas, e impossíveis de seguir, ou programas de exercícios excessivamente intensos, comida insípida, shakes com uma quantidade de calorias extremamente baixa – tudo isso pode criar o tipo de química de estresse que garante que nosso peso permaneça como está. Por isso é hora de relaxar na perda de peso.

2. A felicidade é a melhor ajuda digestiva.

Você pode lembrar o que acontece quando você come durante uma fase ou situação de ansiedade ou estresse? Muitas pessoas relatam sintomas como azia, cólicas, gases e disfunção digestiva. Durante o estresse, o corpo muda automaticamente para a resposta clássica de luta ou fuga. Esta característica do sistema nervoso evoluiu ao longo de milhões de anos como um brilhante mecanismo de segurança para nos apoiar durante eventos fatais. No momento em que a resposta ao estresse é ativada, acontece algo muito interessante – o sistema digestivo é desligado. Faz muito sentido que quando você está fugindo de um animal feroz você não precisa desperdiçar a energia digerindo seu almoço. Toda a energia metabólica do corpo é direcionada para a sobrevivência. Então, você pode estar comendo o alimento mais saudável do universo, mas se você não está comendo sob o estado ótimo de digestão e assimilação – que acontece quando você esta relaxado – literalmente e metabolicamente não estão recebendo o valor nutricional total de sua refeição.

psicologia alimentar GATDA

3. Exagero – é algo mais complexo do que você pensa.

A maioria das pessoas pensa que comer demais é um problema de força de vontade. “Se eu tivesse força de vontade eu poderia controlar meu apetite e começaria a perder peso.” Bem, aqui está a boa notícia – você não tem um problema de força de vontade. Um dos problemas para a maioria das pessoas que comem de maneira exagerada é que eles realmente não “comem” quando eles comem. O que colocamos é que nem sempre estamos totalmente presentes na refeição, conscientes de seu gosto, comendo-o de foma mais lenta, ou simplesmente nos sentindo nutridos pela comida. Quando isso acontece, o cérebro, que requer gosto e satisfação, perde uma fase-chave da experiência nutricional. O cérebro literalmente pensa que não comeu, ou não comeu o suficiente. E simplesmente grita de volta para nós – “Estou com fome!” Levando isso em consideração você pode diminuir drasticamente seu excesso de comida, aumentando sua consciência e presença em cada refeição.

4. Comer mais devagar significa ter um metabolismo mais rápido.

Uma das perguntas que temos que nos fazer é: “Eu sou um comedor rápido, moderado ou lento?” Se a resposta for “rápido”, então é hora de uma revisão. Isso é porque o ato de comer rápido é considerado um estressor pelo corpo. Os seres humanos não são biologicamente preparados para comer em alta velocidade. Então, quando comemos rápido, o corpo mais uma vez entra na resposta fisiológica do estresse, o que resulta em diminuição da digestão, diminuição da assimilação de nutrientes, aumento da excreção de nutrientes, diminuição da taxa de queima de calorias e maior apetite. A boa notícia é que você pode literalmente mudar seu metabolismo simplesmente desacelerando. O que é fascinante é que para muitos comedores rápidos, comer em um ritmo mais lento é um grande desafio. Mas tente isso – não apenas comer de modo lento – comer de uma forma mais “presente”, sentindo o sabor do alimento.

5. Certifique-se de ter bastante Prazer!

Muitas pessoas são ensinadas a acreditar que o prazer é algo frívolo. Mas o prazer é realmente exigido pela nossa biologia. Todos os organismos do planeta Terra, sejam leão, lagarto, ameba ou humanos, são programados no nível mais primitivo do sistema nervoso para buscar prazer e evitar a dor. Bem, se você está comendo e não prestar atenção, o cérebro vai levá-lo a procurar mais prazer através do ato de comer demais. O que é pior, se você está estressado ao comer, o excesso de cortisol em seu sistema o torna dessensibilizado ao prazer – assim você precisará comer mais comida, a fim de obter o prazer que estava procurando. A dica é: Se você quiser obter mais prazer de comida, você não precisa comer mais sorvete ou doces. Basta respirar, relaxar, desfrutar, prestar atenção, e o corpo vai naturalmente experimentar o prazer que procura. E a grande notícia é que, uma vez que o prazer catalisa uma resposta de relaxamento, ele realmente facilitará a digestão e assimilação

6. O comer emocional não é o seu inimigo.

Somos seres emocionais – complexos, imprevisíveis, criaturas cheias de sentimento. Nós amamos, nós comemoramos, nós rimos, choramos, nós desanimamos, nós superamos … Assim como não poderíamos ser comedores emocionais ? Nós amamos os alimentos. Nós adoramos o nosso restaurante favorito. Nós amamos como a comida nos faz sentir bem. Alguns de nós amam cozinhar para os outros. Alguns de nós são apaixonados pela nutrição. É hora de superar isso – se você é humano, você vai trazer emocionalidade para a mesa. Uma vez que abraçamos a realidade de que estamos geneticamente conectados para expressão emocional, podemos relaxar um pouco mais. Por baixo da busca para erradicar o comer emocional de uma vida muitas vezes encontramos um desejo oculto para eliminar sentimentos desconfortáveis. Nós nos esforçamos para um objetivo impossível de atingir que constantemente nos deixa frustrados e com um sentimento de fracasso. Sim, esta coisa chamada comer emocional pode ser muito dolorosa. Mas não é o problema real – é um sintoma que está apontando para algo mais profundo. É um mecanismo de alerta da sabedoria do corpo que nos chama para fazer check-in e seguir o fluxo de emoções dentro de nós para ver onde nossa alma está chamando por mais consciência e percepção.

7. Livrar-se de crenças nutricionais tóxicas.

Finalmente, muitos de nós têm absorvido e vivendo sob crenças nutricionais que são tão prejudiciais e debilitante como qualquer uma das toxinas em nosso alimento. É surpreendentemente comum que as pessoas acreditem que “a comida é o inimigo”, ou “a comida me faz engordar”, ou “a gordura presente nos alimentos se tornará gordura no meu corpo” ou “meu apetite é o inimigo”, ou “assim que eu tiver o corpo perfeito, então eu finalmente serei feliz”. Essas crenças podem parecer inofensivas, mas elas podem criar um relacionamento com a comida cheio de tremendo sofrimento e dor. Pense nisso – se “comida é o inimigo”, então estamos constantemente em constante stress e ansiedade sempre que comemos, ou mesmo pensamos em comida. Um estressor tão poderoso pode causar todos os problemas de desligamento digestivo induzido pelo estresse, diminuição da capacidade de queimar calorias e uma vida interior que raramente estará em paz. A questão é: seu relacionamento com os alimentos é nutritivo ou punitivo?

Esperamos que com tudo que foi dito você observe que há mais elementos que afetam a alimentação que simplesmente o alimento. Nós trazemos à mesa – nossas esperanças, medos, pensamentos, sentimentos, dramas, e sonhos. E quanto mais incluímos um perfil nutricional bem equilibrado que inclui: relaxamento, prazer e comer de forma mais lenta, mais poderemos nos nutrir em todos os níveis.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *