Você é Livre ?

Você é Livre ?

Texto: Valéria Lemos Palazzo

você é livre liberdade GATDA valeria lemos palazzo texto

Quando pensamos nessa pergunta podemos nos remeter a várias situações que nos darão diferentes respostas: ser livre é poder se sustentar financeiramente, e não depender de ninguém; ou ter mais de 18 ou de 21 anos, e poder fazer o que “quiser”; ou ser solteiro; viver em uma democracia, etc… Todas estas respostas, porém, estão relacionando a liberdade a uma condição física e/ou material. E, nunca, mental. Porém, a “verdadeira” liberdade é um estado mental interior. O “sentimento de”; “a postura de”.

Você pode ser uma pessoa livre. Embora, frequentemente não se sinta assim; porque fisicamente, você pode até ter a liberdade de “ir e vir”. Porém, mentalmente, você tem uma série de ideias de limite, prisão e pequenez; que te restringem. Potencialmente você poderia estar livre agora. Mas, isto envolveria “escolher” outros modos de “ver” e “ler” a vida. Por isso você precisa aprender a dominar as suas ideias/crenças, ou elas te dominarão. A pessoa “livre” é aquela que tem “poder de si”. E, quanto mais poder você tem sobre si mesmo, menos dominável (dominado não é “livre”) você será.

Perceba como agora, a sua “cabeça” te domina. Como o “de fora” te afeta. Somos um “reflexo” do exterior, ao invés de “refletimos” a nós mesmos.

O homem tem meios extraordinários de escolha sobre a própria vida. Você é uma individualidade, e por isso, precisa procurar o que “funciona” para você. Quando se fala em maturidade, estamos falando do processo de depuração dos seus potenciais e condições exteriores.

Você “cultiva” uma série de “práticas mentais” que só te aprisionam. Uma delas é a “preocupação”, você “cultiva” preocupação, como sendo algo útil. E, confunde preocupação com responsabilidade. Você se pré-ocupa, o que quer dizer que se “ocupa” de algo que ainda nem aconteceu. E, talvez nem venha a acontecer.

Este comportamento leva a uma ansiedade constante e torturante. Você também “produz” preocupações, quando por exemplo, “vê” problema em tudo.

Tudo é problema e dificuldade. Muitas vezes, quando você vai dormir, a última coisa que faz, é se “despedir do seu problema”; e, a primeira ao acordar, é dar “bom dia para ele”. Você não “vive” sem um problema. Você escolhe sempre olhar pelo “pior ângulo” E, com esta atitude você não cria “facilidades” para si mesmo, fica descontente com você, com a vida, e com os outros. Você só “perde”. Não percebe que este comportamento só te faz sofrer. Não percebe que pode “olhar” por outro ângulo, não “articula”, não “flexiona”. Adota uma “visão rígida”. E, por isso você não é livre. Não adianta ter liberdade, se você não a exercer. E, para exercer está liberdade você não depende de ninguém, não precisa pedir “permissão”. É você que pode escolher ver as coisas por um ângulo que será melhor para você. E você não só pode fazer isso; como deve. Escolha um outro modo de ver, que te dê alegria, que te deixe mais feliz. Se mudar isso vai ter um resultado melhor na vida. A melhora da sua vida está nas suas mãos.

Mas, para isso você precisa “mudar”. E, talvez você tenha uma dificuldade em aceitar as mudanças. Para que mudar? Pode estar tudo muito “ruim” e sofrido. Mas, ao “menos” esse “ruim”, você já conhece. Mudar “de repente” nem pensar… Sem “prévias”, não! Você precisa ser “preparado” para as mudanças. Você não aceita mudanças em você, e, muito menos nos outros. Você é um resistente. Mas, mesmo que você não “aceite”. TUDO ESTA MUDANDO.

Nada é como foi. Nada do seu passado conta. Tudo já “desapareceu”. Você não é mais o mesmo; “desapareceu”. Você tem a sensação de ser o mesmo, mas, muita coisa já mudou. Agora mesmo, você já é uma pessoa “diferente” daquela que começou a ler este texto. Células do seu corpo já se “trocaram”; “pedaços mortos” da sua pele já se desprenderam. NADA, nem no seu corpo, nem na sua mente, nem mesmo o seu “estado de espírito” está igual. TUDO JÁ MUDOU. Mas, na sua “cabeça” você “inventa” que não. E diz: “Ainda sou o mesmo”. Você pode estar preso a um passado. Mas, nada daquele passado, nem você, é mais o mesmo agora. Tudo mudou, mas você não quer dizer “adeus”. E, até é capaz de dizer: “Porque fui no passado, serei sempre”. “Se cometi um erro, serei aquele que fez o erro”. Por isso você não se “perdoa”. Por isso você leva “marcas” com você. Ou, se foi algo que fizeram com você, aquilo fica mais tempo ainda. Você “põe” para si, o que o “outro” fez. Mas, tudo isso, não existe mais. Você cria essa realidade para você.

Você se “prende”.

Ninguém te “prende”.

A vida sempre se renova, mas você se prende na ilusão de estar “parado” e não acompanha as mudanças. Isto é falta de “percepção”. É um “desarranjo” sofrido, que causa uma sensação de tédio da vida.

Você fica “amortecido” para a vida. E viver “amortecido”, é viver “como morto”.

Mas, todos estes sentimentos são resultado das suas crenças (sua maneira de “ver”). Se você se permitir “ver” diferente, tudo muda.

Mudar, se renovar, não é trocar a cor do cabelo, mudar de casa, fazer uma plástica, ou alterar o seu estado civil. Todas estas mudanças podem “melhorar” a sua vida, em termos, mas você pode continuar “igual”. Mudar é se transformar internamente, “ver” diferente, e, portanto, reagir diferente.

Vamos parar esta primeira parte do texto aqui. Porque eu gostaria que você pensasse um pouco na sua liberdade.

Que liberdade você está ou não se dando?

assinatura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *