Preciso tomar medicação para controlar a minha compulsão ?

Embora a terapia comportamental seja muito útil e extremamente eficaz provavelmente para tratar a compulsão alimentar, ela não é suficiente para alguns pacientes. Esses pacientes são mais propensos a encontrar sucesso com a complementação da terapia com opções de medicamentos apropriadas.

Há algum tempo, os médicos trataram esta condição com medicamentos que foram bem-sucedidos em psiquiatria, como antidepressivos. Infelizmente, muitos antidepressivos podem causar ganho de peso, mesmo sem que o paciente altere a ingestão dos alimentos. Isso pode ser frustrante para o paciente e, finalmente, contraproducente.

Ao longo do tempo, esse efeito colateral pode até agravar a compulsão porque o paciente cresce cada vez mais descontente com a falta de perda de peso e abandona os aspectos comportamentais da terapia. O paciente pode decidir que não há razão para trabalhar duro em mudanças comportamentais e de estilo de vida se o peso permaneça o mesmo, e esse abatimento pode desencadear mais compulsão alimentar. Além disso, alguns antidepressivos podem realmente diminuir a sensação de plenitude da pessoa ao comer, levando a mais ingestão de alimentos.medicação para compulsão alimentar

Alguns medicamentos parecem benéficos, até pesquisas em curso revelarem problemas. Até recentemente, os pacientes eram frequentemente tratados com uma droga conhecida como sibutramina, vendida sob várias marcas. Até 2010, foi comercializado e prescrito como complemento no tratamento da obesidade, juntamente com dieta e exercício.

A Sibutramina já não está disponível nos Estados Unidos e em muitos outros países porque o fabricante decidiu parar de produzir o medicamento com base em informações de um estudo clínico. No estudo, as pessoas que tomaram sibutramina apresentaram maior risco de eventos cardiovasculares, como ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

Mais recentemente, alguns pacientes compulsivos melhoraram com o uso de lisdexamfetamina, um medicamento de prescrição utilizado no tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (ADHD) em adultos e crianças. Esta droga é semelhante a uma anfetamina e, até recentemente, a comunidade médica não considerava seriamente a ideia de usar uma anfetamina para tratar a compulsão alimentar.

No entanto, pesquisas mostraram que a droga pode abordar alguns dos aspectos físicos da compulsão alimentar.

Outra opção é o topiramato, um medicamento anticonvulsivante utilizado mais comumente para o tratamento da epilepsia.

É importante considerar esse tratamento médico para compulsão alimentar porque a evidência continua a montar que a desordem não é inteiramente comportamental.

Compulsão alimentar sempre foi um problema difícil de tratar, porque as pessoas que sofrem dessa doença podem estar profundamente envergonhadas e relutantes com o fato de qualquer um saber sobre o seu problema. Isso é em grande parte porque eles percebem a compulsão alimentar como um sinal de fraqueza e falta de autocontrole. Eles temem o julgamento que pode vir de outros.

Esse medo está bem fundado, infelizmente, porque a maioria das pessoas que nunca experimentaram compulsão veem isso como uma atividade que a pessoa simplesmente pode escolher não fazer.

Nós também estamos entendendo melhor o relacionamento da compulsão alimentar com outras questões médicas. A maioria das pessoas que são compulsivas são obesas, tendem a ganhar peso ao longo do tempo com a ingestão excessiva de alimentos e a compulsão alimentar foi estabelecida como um fator de risco para os problemas médicos associados à obesidade.

Por exemplo, os comedores compulsivos são mais propensos a desenvolver síndrome metabólica, que é caracterizada por um aumento no nível do açúcar no sangue, uma circunferência da cintura maior, altos níveis de triglicerídeos e baixos níveis de colesterol bom. A síndrome metabólica, por sua vez, é um fator de risco para diabetes, doenças cardiovasculares e morte por qualquer causa.

Essas associações mostram que a compulsão coloca o paciente em risco de mais do que apenas ganhar peso. Ao procurar cuidados para um paciente com transtorno de compulsão alimentar, é importante lembrar que nossa compreensão deste problema melhorou muito nos últimos anos, criando uma oportunidade para um tratamento mais efetivo. Os especialistas em obesidade e compulsão estão se beneficiando de uma pesquisa crescente que ilustra os pontos fortes e fracos das diferentes opções de tratamento, permitindo que eles ofereçam um plano de tratamento que ofereça ao paciente a melhor chance de sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *