Compulsão alimentar pode ser um mecanismo para enfrentar traumas

Quando o trauma está encoberto ao transtorno de compulsão alimentar do paciente, a recuperação não pode começar até a compulsão alimentar parar – e a remissão de longo prazo não pode ocorrer até o trauma ser abordado e mecanismos alternativos de enfrentamento são desenvolvidos.

O trauma subjacente pode não ser de um evento incrivelmente dramático, como testemunhar uma morte, sofrer agressão sexual, ou sofrer um acidente de carro grave. Ele pode ter sido causado por um animal de estimação que morreu, a perda de um emprego, ou passar por um divórcio ou ruptura difícil. Todos podem ter os mesmos efeitos: aumento da ansiedade e frustração e, em alguns casos, desordem de estresse pós-traumático com sintomas associados a pesadelos, e evitação social.

ganho de peso e traumas, gordura e traumas, traumas e compulsão alimentar, GATDA, distúrbios alimentares e traumas, valéria lemos palazzo, GATDA, traumas e distúrbios alimentares, obesidade e traumas, ganho de peso e traumas, gordura como proteção,

Distúrbios alimentares, particularmente distúrbios compulsivos, bulimia nervosa e a forma restritiva da anorexia nervosa, servem para alterar o humor e “distrair” a pessoa com a distúrbio alimentar de seus traumas. O planejamento envolvido para esconder as compras e o consumo de grandes quantidades de alimentos, a criação de desculpas para refeições não realizadas, as maneiras para esconder a purgação, e as desculpas para evitar passeios sociais criam uma preocupação que suprime outros pensamentos e lembranças, proporcionando uma sensação de controle que foi quebrada pelo evento traumático.

Aqueles que purgam experimentam uma liberação fisiológica e um aumento neuroquímico que os faz sentir bem. Compulsão por alimentos ricos em gordura como os de fast-food e sobremesas desencadeia uma resposta química similar no cérebro. Para alguém que vive   angustiado, ambos podem servir para “acalmar”.

A compulsão alimentar pode ser entendida como uma resposta ao trauma de uma outra maneira também. Pode servir como mecanismo de proteção. Isso é mais comum em casos de agressão sexual, onde os sobreviventes, muitas vezes subconscientemente, começam a construir uma parede de gordura corporal para se protegerem. Eles podem tornar-se muito grandes para abraçar ou incapazes de sair em público. Instintivamente, eles podem procurar fazer-se parecer pouco atraentes para que ninguém tente atacá-los. Obscurecer seus órgãos sexuais em camadas de gordura pode ser visto como uma maneira de suprimir a turbulência interna causada pela situação de violência vivida por eles.

Com o tempo, no entanto, os comportamentos que inicialmente proporcionavam escape, proteção e calma ficam fora de controle. A pessoa torna-se fisicamente dependente da liberação de hormônios que vêm com consumo de quantidades cada vez maiores de alimentos. Com ou sem purgação, o ataque contínuo ao corpo eventualmente destrói a saúde e pode matar a pessoa afetada.

Para inciar o caminho para a recuperação, os compulsivos devem controlar a compulsão e parar com os métodos de purgação, se essa tem sido característica de sua doença. A terapia cognitivo comportamental (linha terapêutica que seguimos aqui no GATDA e usamos com nossos pacientes) irá ajudá-los a desenvolver habilidades de enfrentamento e  consequentemente mudar seu quadro de referência para as refeições.

Sem o alimento, a ação entorpecente do excesso de comer, a liberação da purgação e as distrações associadas à desordem, a pessoa em recuperação começa a experimentar mais emoções. Sua intensidade e “altos e baixos” emocionais podem assustá-los, particularmente porque eles se anestesiaram por tanto tempo.

Os eventos traumáticos e as emoções associadas também ressurgirão. Neste ponto, a pessoa afetada pode começar a trabalhar sua resposta ao trauma, com o objetivo de reduzir a intensidade e duração de sua resposta aos estímulos relacionados.

Em alguns o paciente inciará, gradativamente, uma exposição a situações que se tornaram causadoras de ansiedade, criando assim sua imunidade à reação excessiva e ao medo. A exposição pode ser real – sair para um restaurante, falar com um estranho, dirigir novamente após um acidente grave – ou podem ser criados através de imagens guiadas. De qualquer forma, essas interações terapêuticas requerem um profissional especializado (todos no GATDA são especializados neste tipo de terapia e abordagem) que possa continuar a aumentar a exposição e a profundidade da cura sem sobrecarregar o paciente até o ponto deste sofrer um retrocesso no seu processo de recuperação.

Os objetivos da terapia são desarmar o poder do trauma e, em seguida, ajudar os pacientes a aprender a se proteger e acalmar-se de maneiras saudáveis. Grande parte da proteção vem da aprendizagem de como estabelecer limites pessoais claros. No futuro, os pacientes podem não ser capazes de evitar novos traumas, mas eles certamente podem evitar se tornarem vítimas novamente.

Todas as pessoas têm o direito de se proteger, mas precisam ter posições protetoras que não atuarão contra eles. Um sobrevivente de estupro pode pensar que todos os homens são predadores e evitam todo contato com eles. Isso é protetor, mas também é uma maneira desordenada de pensar. Eles devem aprender a reconhecer que os indivíduos que eles encontram agora não são as pessoas que abusaram deles. Isso não significa que eles deveriam confiar em todos. Eles devem manter limites e podem manter a vigilância em determinadas situações, mas ao longo do tempo eles podem observar o comportamento dos outros e confiar neles. Para os sobreviventes de trauma que têm transtorno compulsivo, abordar a dor, aceitar-se, estabelecer fronteiras e aprender novas habilidades de enfrentamento são passos cruciais na recuperação. Ignorar qualquer um deles coloca o paciente com compulsão em risco de retornar a um caminho de destruição na próxima vez que ocorrer uma situação estressante. A recuperação prolongada depende de trabalhar em cada etapa no início do tratamento e dominá-los nos anos que se seguem.

 Valeria Palazzo Valeria Lemos PalazzoAutoria do texto:

Valéria Lemos Palazzo – Psicóloga e Neuropsicóloga

Idealizadora, Criadora e Coordenadora do GATDA – Grupo de Apoio e Tratamento dos Distúrbios Alimentares, da Ansiedade e de Humor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *