O que é Diabulimia ?

Diabulimia é um termo que surgiu na mídia nos últimos dias e causou uma série de questionamentos.

O primeiro esclarecimento é definirmos que a Diabulimia não é um diagnóstico oficial ou um termo reconhecido medicamente.  Como resultado, é muito sub-diagnosticada e não tratada. O primeiro passo no tratamento desta doença perigosa é a compreensão das causas e sintomas.

Ele refere-se àqueles com diabetes que propositadamente ignoram ou reduzem as doses de insulina, afim de perder peso, até o ponto onde o seu comportamento constitui um transtorno alimentar diagnosticável e deixa sua condição de diabetes com pouca atenção e cuidados.

diabulimia o que é GATDA insulina distúrbios alimentares

O que acontece então para que este termo surgisse ?

Na verdade pesquisas sugerem que os distúrbios alimentares são provavelmente mais comuns entre as mulheres com diabetes do que mulheres que não têm diabetes.

Bulimia é o transtorno alimentar mais comum em mulheres com diabetes tipo 1. Entre as mulheres com diabetes tipo 2, a compulsão alimentar é mais comum.

O termo “diabulimia” (também conhecido como ED-DMT1) tem sido muitas vezes usado para se referir a esta combinação de risco de vida e a prática de retenção de insulina para manipular ou perder peso.

Esta prática arriscada pode ter consequências  catastróficas para a saúde, já que ambos, tanto a diabetes quanto os transtornos alimentares envolvem atenção aos estados do corpo, controle de peso e controle de alimentos, levando algumas pessoas a desenvolverem um padrão no qual usam a doença para justificar ou camuflar a desordem. Como as complicações do diabetes e dos transtornos alimentares podem ser graves ou mesmo fatais a busca por comportamentos saudáveis é essencial.

Agora, imagine a dificuldade no tratamento de uma doença perigosa que pode facilitar o aparecimento de uma outra doença mortal, uma que faz com que a primeira seja muito pior.

Restringir a insulina para fins de perda de peso pode variar de uma prática pouco frequente a um fenômeno incontrolável que coloca o paciente em risco de morrer. Cerca de 30 por cento das mulheres diabéticas utilizam a restrição de uso de insulina para fins de perda de peso em algum momento de suas vidas. O que, naturalmente, não significa que elas tenham um distúrbio alimentar. O que é surpreendente é que diabéticas tipo 1 são duas vezes e meia mais propensas a desenvolver um transtorno alimentar do que outras mulheres. Tendo em conta que os distúrbios alimentares são o mais mortal de todas as condições psiquiátricas, esta tendência coloca as mulheres que já se encontram em situação de saúde precária em uma situação ainda mais frágil.

A diabetes Tipo 1 é uma condição autoimune em que as células que produzem insulina são atacadas pelo próprio sistema imunitário do corpo.  Sem insulina, as células não podem acessar a glicose enquanto o fluxo de sangue está saturado com o material, causando sintomas como micção excessiva, sede extrema, baixo consumo de energia e perda de peso.

Para aqueles que consistentemente mantém os seus níveis de glicose no sangue muito alto ao renunciar à insulina, danos a longo prazo para os olhos, rins, nervos, e o sistema circulatório são possíveis

Tais consequências desastrosas parecem, por si só, ser um fator assustador para impedir este tipo de comportamento. Mas, para as mulheres com diabetes que tem predisposição para desenvolver um transtorno alimentar, o próprio tratamento da diabetes constitui um risco. Isso acontece porque os pacientes com diabetes são ensinados a ser muito conscientes e atentos em relação a sua ingestão de calorias e controle do peso. Isso faz com que as mulheres que estariam em risco para o desencadeamento de um transtorno alimentar desenvolvessem uma maior preocupação com o peso, juntamente com ideias rígidas sobre a alimentação.

Uma vez que uma mulher está manifestando um transtorno alimentar, a ameaça de, digamos, cegueira ou amputação não é páreo para sua necessidade psicológica de ficar magra e evitar a insulina. Não é que essas pacientes não estejam cientes dos riscos, elas sabem que os riscos são graves, mas seu transtorno alimentar assume o controle sobre suas vidas.

A terapia praticada nesses pacientes é semelhante ao tratamento para anorexia e bulimia, onde são ensinadas técnicas em relação a nutrição e habilidades de pensamento flexíveis sobre alimentação e peso. Mas qualquer tratamento de uma diabulímica deve, simultaneamente, ajudá-las a estabilizar os seus níveis de glicose no sangue e fazer com que se acostumem a administrar suas injeções diárias. É um equilíbrio delicado entre fazer o que é bom para a paciente e o que é confortável para elas, porque muitos estão apavoradas em relação ao uso da insulina. Temos que ajudá-las a desmistificar esses medos, e desenvolver uma compreensão mais clara do que a insulina faz.

Enquanto não existem dados a longo prazo sobre os resultados do tratamento de mulheres com diabulimia (nem sobre as estatísticas sobre quantos homens podem estar sofrendo de ambas as condições), este é um problema difícil de superar.

O fenômeno da diabulimia foi documentado na literatura de pesquisa desde o final dos anos 1980, mas só agora foi recentemente coberto na imprensa.

Esperamos que esta nova consciência vá ajudar aqueles com diabulimia para perceber que eles não estão sozinhos, e que o tratamento está disponível. Também esperamos que os membros da família e amigos incentivem estas pessoas a buscar ajuda.

Aqui no GATDA oferecemos tratamento para pacientes nestas condições, utilizando para isso as mesmas técnicas usadas no tratamento e recuperação da bulimia.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *